quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Novos lugares de afecto

Toda a gente tem fotografias da Ponta da Piedade. Esta até podia ser um postal ilustrado, mas não é... foi tirada por mim que, pela primeira vez, estive naquele sítio abençoado pelos deuses.
Andei por terras algarvias, é verdade. Experimentei aquela salgada e morna água do mar e deixei-me ir ficando, até se me colocar a hipótese de me fartar. Não me fartaria nunca, é um facto, mas a vida não pode ser só "bem bom", para utilizar uma expressão dos nossos irmãos brasileiros... há que trabalhar, que produzir, que contribuir para esta sociedade já de si tão mal-tratada pelos sucessivos governantes... na área da Saúde, então, nem é bom falar nisso... toda a gente já sentiu "na pele" as deficiências e insuficiências do sistema nacional. Além do mais, eu gosto muito do que faço e comecei a sentir a falta dos meus doentes, mesmo dos que ainda não conheço, mas que poderiam estar a precisar de mim, caso continuasse ausente por mais tempo.
Voltando um pouco atrás, às férias, "algarviei", sim senhor, mas também me deixei seduzir pela Costa Vicentina, onde acabei por ficar mais tempo do que no Algarve. Apaixonei-me por Porto Côvo, pelas suas praias, pelo seu farol e pela encantandora Ilha do Pessegueiro. Na praia em frente desta oferenda da natureza passei muitas horas, fora mas, principalmente, dentro de água. Nadei até mais não poder... chegava ao fim do dia cansada, mas feliz. Sempre gostei da música do Rui Veloso dedicada àqueles lugares mas, a partir destas férias, sempre que a ouvir, vou saber , vou sentir do que está a falar. Passou a existir, em mim, uma nostalgia doce e bonita em relação a Porto Côvo: sítio e música. É bom poder coleccionar lugares de afecto (sei que há alguém que leio, aqui na blogoesfera, que costuma utilizar essa expressão com frequência, porque é, ela própria, uma pessoa de lugares, não me recordo de quem, mas agora posso perceber que ter esse sentimento é ter um tesouro, muito mais importante do que acumular riquezas materiais).
Visitei faróis lindíssimos para além do de Porto Côvo (um sonho antigo tornou-se realidade e excedeu as expectativas): o do Cabo de S. Vicente, o do Cabo Sardão... mas não vou encher este espaço de fotografias de tudo o que me encantou. O de Porto Côvo (mais uma vez, talvez pela magia da hora a que a fotografia foi tirada e pela memória da presença da pessoa a meu lado) é o eleito para ilustrar a emoção.


Sim, uma pessoa a meu lado. Contrariamente ao que se possa pensar, não andei sempre sozinha. Parti só, é verdade, mas isso provavelmente permitiu e funcionou como um elemento facilitador do encontro com outras pessoas. Viajar é excelente. Conhecer gente durante as viagens faz parte da aventura. Criar, com elas, laços de amizade (ou outros, quiçá) é um acréscimo muito gratificante.
Voltei à Casa do Alto do Monte com uma nova visão do que me rodeia, dos outros e de mim própria. Sinto-me revigorada. Quase poderia dizer, se não soasse a exagero, renascida.
E cá estou, preparada para um novo ano de trabalho árduo, com energia de sobra para o enfrentar. Do que se passou, dentro e fora de mim, ao regressar a casa, voltarei um dia destes para contar.

20 comentários:

Graça Pires disse...

Ainda bem que voltaste Mafalda. Pelo que li as tuas férias foram maravilhosas. Obrigada por partilhares aqui os teus momentos. Um beijo.

APC disse...

Não vais acreditar!...
Quando regressei das minhas férias (e também não faz muito tempo), a fotografia que publiquei foi de onde, imaginas? Ah, pois é! :-)))
A verdade é que cirandei por vários lados, muito lá para as bandas de nuestros hermanos, mas acabei na Costa Alentejana, e Porto Côvo mereceu-me o meu olhar derradeiro.
Bem-vinda sejas tu; assim, revigorada; pronta a dar o teu melhor a quem o queira ou necessite.
Muito sucesso para o próximo ciclo!
E um abraço! :-)

bettips disse...

Vou ser eu a primeirinha a dizer:
1º que tenho uma inveja rafeira
2º que vou passar lá
3º que já levo companhia
4º e a máquina
5º...que sejas muito bem chegada à tua terra alta, ao teu trabalho, às tuas luzes... com essa disposição, os teus doentes agradecem! E nós. Bjs

M. disse...

Confesso que já há muito tempo aqui não vinha e que adorei voltar. Gosto do teu modo de escrever, é límpido e afectuoso.

aquilária disse...

mafalda, porto côvo também é, por várias razões, um dos meus lugares de afecto.
bom regresso ao novo ciclo de trabalho. estou curiosa: quais as reacções do nanou à tua chegada?

abraço

maria faia disse...

olá Mafalda


Gostei muito deste post.
Uma pessoa ao lado, é realmente o ponto mais importante para toda uma outra emoção.

Porto Côvo, também é uma das minhas paixões.

Pepe Luigi disse...

Achei muito interessante esta sua postagem.

Rosa dos Ventos disse...

Foi uma óptima escolha para fim de férias!
Conheci Porto Côvo no verão de 1974, ainda tu não eras viva com toda a certeza.
Acampei num promontório que dava acesso a uma praia espectacular rodeada de rochedos!
Bom regresso ao trabalho!
Abraço

Maria P. disse...

Que tenhas um excelente regresso "renascida".

Beijinho.

Teresa Durães disse...

também tenho de vir actualizar aqui as leituras. Logo.

beijos

Maria disse...

Porto Covo é um lugar de afectos antigos......
Feliz regresso, "renascida"...

Beijo

carteiro disse...

Finalmente aqui estou a ler-te com o tempo que mereces, após este nosso 'regresso', por mais diferente que seja cada um.
Fico feliz pelas recordações que permanecerão destas férias e pela força que agora tens para enfrentar o que por aí vem. Bom trabalho e até às próximas linhas que nos contares.

Teresa Durães disse...

ai que ainda não me actualizei aqui... e eu que gostei tanto da Irlanda!!!


(prometo!! já li o Algarve!! eheheh)

Porto Covo, excelente.

beijos

Dulce disse...

Pelas tuas palavras transparece tudo o que de bom aconteceu nesses dias de descanso. Agora "renascida" é ir à luta que concerteza alguém precisa de ti.
Beijinhos e bom regresso ao trabalho.

Perdido disse...

Bem! É só saúde! A menina a cirandar e os doentes que aguentem. Eu imagino que deixaste substituto; mas eles querem-te é a ti. E tu aí vais, baterias carregadas, cores de bolacha torrada, cheia da magia irlandesa e do farniente algarvio. Eles são na maioria velhos, não lhes vais falar das tuas companhias de férias, tu que és a companhia deles. E vais notar que têm mais das mesmas dores e, para elas, só tens o lenitivo da tua disposição revigorada.

Lugares? Sim, lugares. Afinal, viajar é perder lugares. Cá por mim não me apaixono por lugares. Assim que me abeiro deles, começa-me logo a morder a saudade de os ter perdido.... ou de neles me ter perdido.

Litoral alentejano e costa vicentina são lugares que badalam no côncavo do meu crânio e me aceleram o músculo motor.

Agora vou de novo, afinal tinha-me prometido vir só aqui deixar o lamento da saudade e um beijinho de afecto.

Nilson Barcelli disse...

Isso é que foram férias...
Mas... arranjaste companhia e não dizes nada acerca dela?
E o teu namorado? Estava à tua espera?
Beijinhos.

mafalda disse...

Querido Nilson,

Lá por eu aqui "escancarar" as janelas da minha vida, não significa que satisfaça todas as curiosidades dos meus amigos leitores... a seu tempo, talvez aborde o assunto... mas sem promessas! ;)

Beijos.

mafalda disse...

Meus queridos amigos,
Nem calculam como fiquei contente com o caloroso afecto com que acolheram o meu regresso a casa.
Estou cheia de trabalho e não tenho tido tempo para os visitar nem para publicar mais nenhum post.
Assim que me seja possível, volto ao saudável convívio virtual com pessoas a quem tanto me afeiçoei, como é o vosso caso.
Até breve. Beijos e abraços.

mixtu disse...

um bom regresso ao trabalho e a casa e aos teus doentitos...

e que nada lhes falte (aos doentes), acredito que de ti/si nada faltará...

o algarve, cada vez mais exploro o interior do algarve...

mas não deixa de ser um excelente destino, mas a irlanda...

um bom regresso, sobre o teu tempo de blogar... não te preocupes, devagar.. senão fartas-te...

um abraço irlandês, como é que os gajos se abraçam? yayaya

Pepe Luigi disse...

Depois de algum tempo sem visitar este blogue, é com reconhecido prazer que leio o seu tão natural e espontâneo relato.
A fotografia está óptima!
Todos os anos vou passar uma semana à Ponta da Piedade e também à Meia-Praia que é só areia. Qualquer delas são lindas cada qual com o seu encanto!