segunda-feira, 30 de julho de 2007

Da Irlanda para o Algarve

Leda and the Swan by W.B.Yeats

A sudden blow: the great wings beating still
Above the staggering girl, her thighs caressed
By his dark webs, her nape caught in his bill,
He holds her helpless breast upon his breast.

How can those terrified vague fingers push
The feathered glory from her loosening thighs?
How can anybody, laid in that white rush,
But feel the strange heart beating where it lies?

A shudder in the loins, engenders there
The broken wall, the burning roof and tower
And Agamemnon dead.
Being so caught up,
So mastered by the brute blood of the air,
Did she put on his knowledge with his power
Before the indifferent beak could let her drop?

A família Yeats legou à Irlanda, em particular, e ao mundo, em geral, um fabuloso espólio artístico. Desde o pai, John Butler Yeats, escritor mas, acima de tudo, famoso pintor, de que os retratos são a sua mais conhecida forma de expressão artística, ao inigualável poeta W.B.Yeats, percursor da nova poesia irlandesa, sem rima, com marcadas influências do seu grande amigo Ezra Pound, com quem era mantida correspondência assídua, de ambos os lados do oceano.

Retrato de W.B. Yeats, da autoria de seu pai, John Butler Yeats - 1906


Já o irmão mais novo de Williams, Jack Butler Yeats, sempre demonstrou maior vocação para a pintura, tal como o pai, sendo considerado o expoente dos pintores modernistas da Irlanda, tendo inclusivamente sido conotado com a escola expressionista.

Jack Butler Yeats, (Atlantic Drive), 1944, The Hunt Museum, Limerick


Jack Butler Yeats (My beautiful, my beautiful) - 1953

Da bela Irlanda levo imagens que, para sempre, ficarão comigo. Também o meu imaginário ficou mais saciado, após esta visita em que procurei aprofundar, tanto quanto possível, as raízes celtas que tanto me fascinam, a lendária e mítica história da ilha de onde Isolda partiu para casar com o Rei Marco e afinal, da sua paixão com Tristão, nasceu uma das mais belas histórias de amor da cultura Ocidental :

"Frisch weht der Wind der Heimat zu, mein Irish Kind, wo weilest du?" (Tristan und Isotte, Wagner - frase citada no poema "The Waste Land" de T.S. Elliot).

Ilha de grandiosos escritores, cuja escrita já me acompanhava, mas que agora julguei entender um pouco melhor, de Jonathan Swift a Samuel Becket, passando pelo incomparável James Joyce e por George Bernard Shaw.

Pois é, mas tenho mesmo que rumar a terras algarvias (o contraste térmico até poderá ser interessante... além do mais vou ter oportunidade de nadar no mar, finalmente. Sim, porque nesta terra não me atrevi a fazer mais do que molhar os pés nas águas fresquinhas, fresquinhas... e mesmo assim ficava com eles enregeladinhos!!!) mas a verdade verdadeira é que, embora os irlandeses funcionem com euros, como nós, os euros aqui custam bastante mais dinheiro do que em Portugal. Refiro-me aos "comes e bebes", aos alojamentos, enfim a tudo aquilo em que é mesmo preciso gastar dinheiro... sei que no algarve também não é barato, mas quem viaja de Dublin para Faro consegue ter férias muito mais económicas do que se fosse de qualquer ponto do nosso País. É triste, mas é verdade. Nem vos digo quanto vou pagar por estas férias num aldeamento "top class", com tudo incluído. Parece-me vergonhoso que um estrangeiro precise de dispender apenas cerca de 1/4 do que um portuguesinho de gema, nas mesmas condições, tem de gastar... Enfim, as injustiças desta nossa sociedade (mercado único, união europeia, livre circulação de pessoas e bens, fariam prever condições de subsistência e até de férias, - porque não? - naturalmente idênticas, não era?) MAS NÃO É!

Claro que não vou endireitar o mundo nem me vou armar em mártir, portanto, como qualquer português feito esperto, vou aproveitar, já que estou aqui!... (seria honesta, ficaria de bem com a minha consciência, etc. e tal, mas seria uma parva, e, pior do que isso, arrepender-me-ia todos os dias se não o fizesse, não é verdade?).

Amanhã vou, então, direitinha da Ilha Verde para o Algarve escaldante. Chegam-me notícias de que o calor em Portugal está insuportável, mas, apesar de não ser propriamente uma "indigente", o meu "pé-de-meia" para as férias já não me permite continuar por mais tempo neste fresco e verde paraíso, onde tive a oportunidade de conhecer paisagens deslumbrantes, enriquecer os meus parcos conhecimentos sobre a herança celta e a mais recente cultura irlandesa e, para meu espanto, descobrir que na Irlanda existem muitos corvos. A sério! E não é só à beira-mar... é por todo o campo, que é como quem diz, relembrando a amiga Bettips, countryside. Vamos por uma estrada, entre uma cidade e outra, por exemplo e, à porta de cada casa, de ambos os lados da estrada, está postado um corvo verdadeiro. Tipo cão-de-guarda... será um corvo de guarda? Adorei esta particularidade, a juntar a todas as outras que vim referindo ao longo dos posts que nesta ilha de sonho, onde o fantático e o real chegam a confundir-(se)-me, consegui arranjar algum tempo para escrever.

Talvez dê notícias da minha estadia do lado de cá de Marrocos, se me sobrar algum tempo fora de água... senão... até um dia destes, de onde voltarei ao Vento Agreste para pôr a escrita em dia, lá do alto da minha montanha.

12 comentários:

bettips disse...

Fresca e linda. A ensaiar conhecimentos tão bons... como vou saber mais, sempre que contigo passear, mesmo por aqui. Sério...és uma lufada de fresco ar e lindo! Li e ri. Os bêbados somos nós, não é verdade? A nossa happy hour é sempre que um homem quiser. E essa de Dublin/Faro foi de MESTRA. Tratados somos mal. Mas é verdade que sem "taco" se passa uma fominha. Sabes como fazia nos longos dias de passeios intermináveis? Ou trazia um qualquer bolinho do breakfast (escondido, pois!) ou passava num super qualquer e comprava iogurtezito e bolachas. E sempre, sempre, deitava fora a ideia calórica e comia no Mac ou no KFC. Que foi a coisita melhor que os big brothers nos deixaram...eu que odeio comida plástica! Uma suculenta perna de frango obeso e uma cola fazem milagres nas pernas (e na bolsa). Abracinhos e não te queixes do teu monte, ok? Assim é oiro sobre verde...

carteiro disse...

Finalmente consegui ler todos os teus posts sobre a ilha verde :)
Ora, e o mais importante é que aprendi bastante com o que fui lendo.
Deixas tudo tão bem escrito e descrito que é um prazer ler-te.
Aproveita bem o mar do Algarve e até breve, com um bom regresso ap alto da tua montanha.

Camiseta Personalizada disse...

Oi, achei teu blog pelo google tá bem interessante gostei desse post. Quando der dá uma passada pelo meu blog, é sobre camisetas personalizadas, mostra passo a passo como criar uma camiseta personalizada bem maneira. Se você quiser linkar meu blog no seu eu ficaria agradecido, até mais e sucesso.(If you speak English can see the version in English of the Camiseta Personalizada.If he will be possible add my blog in your blogroll I thankful, bye friend).

TINTA PERMANENTE disse...

Aqui espero, aqui espero!...
Bom regresso!
Abraço.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Passeando na blogosfera decidi passar por aqui e parar para umas férias. As tuas descrições são repousantes para o corpo e para o espírito. Sabes mostrar-nos as coisas como se as estivéssemos olhando com os nossos próprios olhos.
Que bom!... Vou estar por aqui uns dias até me ir embora. Depois voltarei de vez em quando.

O Profeta disse...

No sublime te li...


Beijinho

caminante disse...

Muchas gracias por tu paso, silente, por mi Blog. Mi casa es tu casa.
Recorrí suavemente tu Blog y quedo impresionado. Bellísimas fotografias,anotaciones curiosas,detalles de buen obsrvador, espléndida hoja de ruta.
Un fortísimo abrazo.

Perdido disse...

Tenho saudades da tua presença aqui.

Nilson Barcelli disse...

Já tinha lido, mas devo ter-me esquecido de comentar...
Para quando mais posts?
Bfds, beijinhos.

APC disse...

Belíssimo casamento entre a entrada e a saída do post. Yeats e diário de bordo, ambos alimentos para a alma! :-)

Teresa Durães disse...

uma das maiores ironias inglesas é chamar escritores ingleses aos irlandeses... eheheheh

Dublin... ai!!! saudades!!

Luís disse...

Uma pessoa daquelas que contêm magia dentro de si deu-me Yeats... deu-mo no meio de um mar atribulado na costa de Inglaterra. E até hoje não mo tiraram...

"Had I the heavens' embroidered cloths
Enwrought with golden and silver light,
The blue and dim and the dark cloths
Of night and light and the half-light,
I would spread the cloths under your feet:
But I, being poor, have only my dreams;
I have spread my dreams under your feet;
Tread softly because you tread on my dreams"

W.B. Yeats

O teu post trouxe-me recordações tão doces =)